Bolsas europeias e futuros dos EUA têm ganhos após tombo da véspera, petróleo segue em alta e mais destaques do mercado hoje

petróleo bomba plataforma índices preços queda baixa óleo

Os índices futuros americanos operam em leve alta e as bolsas europeias sobem na manhã desta terça-feira (8), enquanto as ações asiáticas fecharam em baixa, com investidores permanecendo preocupados com a alta dos preços do petróleo e a desaceleração do crescimento econômico em meio à invasão da Ucrânia pela Rússia.

As negociações de paz entre a Rússia e a Ucrânia na Bielorrússia fizeram pouco progresso na redução da escalada da guerra, e os investidores continuam apreensivos depois que os EUA revelaram discussões ativas com governos europeus sobre a proibição de importações de petróleo e gás natural russos.

O movimento pode representar um risco de estagflação – um período de crescimento econômico lento e alto desemprego, juntamente com alta inflação – para a economia global.

Os russos também alertaram que poderiam cortar o fornecimento de gás para a Europa através do gasoduto Nord Stream 1 existente.

As notícias inicialmente levaram os preços do petróleo a máximas de 13 anos, embora tenham devolvido a maioria desses ganhos ao longo do pregão de segunda-feira e tenham sido modestamente mais altos na terça-feira.

Uma notícia levou a uma ligeira melhora nas operações com renda variável esta manhã, informa a Bloomberg, que diz respeito à possibilidade de a União Europeia fazer uma emissão conjunta de bônus, numa tentativa de minimizar os efeitos econômicos da invasão russa à Ucrânia.

De acordo com a agência, a UE deve apresentar ainda nesta semana seu plano para financiamento de gastos com energia e defesa em meio a conflito no leste do continente, com o programa devendo ser revelado após reunião emergencial prevista para encerrar na sexta (11). O dinheiro levantado com a venda de títulos deve ser distribuído a países do bloco em forma de empréstimos, apontam as fontes da agência.

Por aqui, o presidente do Banco Central, Campos Neto, terá reunião fechada hoje, às 15h, com Ciro Nogueira, Guedes e Bento Albuquerque, informa agenda do BC. Também saem os dados de produção e vendas de veículos de fevereiro pela Anfavea, a Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores.

Os investidores também seguem monitorando o noticiário sobre a Petrobras (PETR3;PETR4), que perdeu na véspera mais de R$ 34 bilhões de valor de mercado em meio às notícias sobre mudanças na política de preços em meio à disparada do petróleo. No final do pregão da véspera, o Estadão informou que o governo teria passado a discutir o congelamento temporário do preço de combustíveis pela Petrobras, o que seria oneroso para a companhia.

Confira mais destaques:

1. Bolsas Mundiais

Estados Unidos

Os índices futuros dos EUA operam em leve alta nesta manhã de terça-feira (8), após o pior dia do S&P 500 desde outubro de 2020, com investidores permanecendo preocupados com a disparada dos preços do petróleo e a desaceleração do crescimento econômico em meio à invasão da Ucrânia pela Rússia.

Veja o desempenho dos mercados futuros:

  • Dow Jones Futuro (EUA), +0,26%
  • S&P 500 Futuro (EUA), +0,40%
  • Nasdaq Futuro (EUA), +0,25%

Ásia

Os mercados asiáticos fecharam no campo negativo, com as ações da China continental liderando as perdas regionalmente. A guerra Rússia-Ucrânia continuou pesando no sentimento dos investidores.

  • Shanghai SE (China), -2,35%
  • Nikkei (Japão), -1,71%
  • Hang Seng Index (Hong Kong), -1,39%
  • Kospi (Coreia do Sul), -1,09%

Europa

Os mercados europeus operam com bastante volatilidade, mas ganharam força durante a manhã em meio a notícias de emissão conjunta de títulos, enquanto os investidores continuam monitorando a guerra na Ucrânia e as respostas ocidentais. Atenção ainda aos dados de PIB da zona do euro, com a revisão para o quarto trimestre registrando alta de 0,3% na comparação trimestral e 4,6% na base anual, em linha com o esperado pelo mercado.

  • FTSE 100 (Reino Unido), +0,07%
  • DAX (Alemanha), +0,85%
  • CAC 40 (França), +2,38%
  • FTSE MIB (Itália), +2,33%

Commodities

Os preços do petróleo oscilaram perto de máximas de 14 anos nesta terça-feira. Os EUA consideraram agir sozinhos para proibir as importações de petróleo russo em vez de se unir a aliados na Europa, aliviando as preocupações de uma interrupção mais ampla no fornecimento de petróleo.

  • Petróleo WTI, +2,90%, a US$ 122,30 o barril
  • Petróleo Brent, +2,91%, a US$ 126,80 o barril
  • Minério de ferro negociado na bolsa de Dalian teve alta de 0,36%, a 844,50 iuanes, o equivalente a US$ 133,70

Bitcoin

  • Bitcoin, +1,43% a US$ 38.775,60 (em relação à cotação de 24 horas atrás)

2. Agenda

Nos Estados Unidos, os dados da balança comercial saem hoje às 10h30 da manhã (horário de Brasília). O consenso aponta para um déficit de US$ 87 bilhões. Por aqui, destaque para o índice de preços ao produtor mensal, com expectativa de alta de 0,2%.

EUA

10h30: Balança comercial de janeiro, com expectativa de déficit de US$ 87 bilhões, segundo analistas ouvidos pela Reuters.

12h: Estoques no atacado de janeiro

18h30: Estoques de petróleo API

Brasil

8h: IGP-DI de fevereiro

9h: Índice de preços ao produtor de janeiro, consenso aponta para alta de 0,2%.

10h: Carta da Anfavea de fevereiro

3. Lira defende subsídio temporário e política de preço da Petrobras

Arthur Lira defendeu que o governo adote medidas para impedir a alta dos combustíveis e disse ver com simpatia a criação de um subsídio temporário. “Acho que todo mundo de bom senso sabe que não dá para passar para o consumidor um aumento de US$ 80 para US$ 140 do barril do petróleo”, afirmou Lira ao jornal Valor.

Ele cobrou que o Senado se posicione sobre o PLP11, que muda o cálculo do ICMS sobre os combustíveis. Lira também defendeu que o governo deve manter a política de preços da Petrobras.

Suspensão de reajuste no radar

Com a disparada dos preços do petróleo, o governo Bolsonaro busca saídas para o problema. A avaliação feita no Planalto é que seguir com a atual política de preços da Petrobras, que resultaria em reajuste da ordem de 30% nos preços dos combustíveis, sacrificaria a reeleição do presidente, segundo reportagem do Valor.

Dessa forma, o conselho é pedir aos acionistas da estatal uma “cota de contribuição” diante da guerra, com a suspensão temporária dos reajustes dos combustíveis apenas durante o conflito. A sugestão foi apresentada ao presidente na manhã de ontem. Consta do Projeto de Lei 1.472/21, relatado pelo senador Jean Paul Prates (PT-RN).

Subsídio para combustíveis pode atingir R$ 37 bi

O subsídio temporário para o preço dos combustíveis, que o governo discute em meio à disparada do petróleo pode atingir aproximadamente R$ 37 bilhões, de acordo com fontes ouvidas por O Globo. A cifra pode ajudar a baratear ou segurar os preços num período entre três e seis meses. O governo ainda não bateu o martelo sobre os detalhes da medida, como usar dividendos. A medida seria semelhante à adotada no governo Temer em 2018 para contornar a greve dos caminhoneiros.

4. Covid

Na última segunda-feira (07), o Brasil registrou 211 mortes e 20.644 casos de covid-19 em 24h, segundo informações do consórcio de veículos de imprensa, às 20h.

A média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 425, recuo de 48% em comparação com o patamar de 14 dias antes.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 40.074, o que representa queda de 59% em relação ao patamar de 14 dias antes.

Chegou a 156.248.372 de pessoas totalmente imunizadas contra a Covid no Brasil, o equivalente a 72,73% da população.

O número de pessoas que tomaram ao menos a primeira dose de vacinas atingiu 173.272.079 pessoas, o que representa 80,66% da população.

A dose de reforço foi aplicada em 66.512.493 pessoas, ou 30,96% da população.

5. Radar Corporativo

O noticiário corporativo destaca a divulgação do balanço do quarto trimestre da Marfrig (MRFG3), após o fechamento do mercado, além de GPS (GGPS3), Log-In (LOGN3) e Vulcabras (VULC3). Confira mais notícias:

Vale (VALE3)

A Vale (VALE3) informou que fortes chuvas causaram movimentação de terra na ferrovia Estrada de Ferro Carajás (EFC) no trecho KM378+200, no município Bom Jesus das Selvas, Maranhão, causando a suspensão temporária da circulação de trens. O incidente não gerou vítimas e o local afetado passa por avaliação.

As operações de mina e porto seguem operando normalmente por meio de gerenciamento de estoques.

Segundo comunicado, a mineradora espera concluir as atividades de manutenção do trecho até quarta-feira (9) e com isso retomar as atividades de expedição ferroviária.

Banco do Brasil (BBAS3)

O Banco do Brasil (BBAS3) informou ontem (7) o valor a ser pago em dividendos e juros sobre capital próprio (JCP). O montante atualizado para os dividendos é de R$ 0,36227695458 por ação. Já para o JCP, o valor foi atualizado para R$ 0,46244453749.

O novo valor compreende o valor da remuneração complementar aos acionistas referente ao 4º trimestre de 2021 atualizado pela taxa Selic até a data do pagamento, no próximo dia 11.

B3 (B3SA3)

A B3 (B3SA3) informou a renúncia do vice-presidente financeiro, corporativo e de RI, Daniel Sonder, que deixará o cargo em 29 de abril, para assumir novas responsabilidades em empresa no exterior.

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

The post Bolsas europeias e futuros dos EUA têm ganhos após tombo da véspera, petróleo segue em alta e mais destaques do mercado hoje appeared first on InfoMoney.

Desenvolvido por Direto na Web