Cibercriminosos aplicam golpes fingindo ser vítimas da guerra na Ucrânia

A carência de recursos do povo ucraniano já despertou o interesse de golpistas que fingem ser refugiados necessitando de ajuda financeira. Os cibercriminosos não têm barreiras morais e estão se aproveitando da situação delicada para tirarem vantagem sobre doações oriundas de pessoas dispostas a ajudar. Especialistas em segurança da Avast já identificaram hackers que atuam nas mídias sociais e focam no pedido de doações em Bitcoins, aproveitando o cenário de tristeza e perdas financeiras impostos pela guerra entre Rússia e Ucrânia.

Pedidos de doações começam com menos de US$ 2

Eles também pedem que as vítimas comprem tokens não fungíveis, NFTs, ou outros tipos de criptomoedas, sempre com valores baixos, como US$1,2, sempre com o argumento de que o dinheiro será utilizado em prol dos ucranianos.

De acordo com o diretor de Inteligência de Ameaças da Avast, Michal Salat, trata-se de uma nova forma de agir dos golpistas, que não medem esforços e nem consequências para obterem dinheiro rápido e de uma maneira criminosa.

“No passado, vimos iscas semelhantes para pessoas presas durante viagens, golpes de romance, etc. Os cibercriminosos não têm barreiras morais e usarão qualquer oportunidade para obter dinheiro de pessoas dispostas a ajudar. Aconselhamos vivamente a não enviar dinheiro, especialmente qualquer forma de criptomoeda. Caso a pessoa deseje ajudar a população na Ucrânia, faça isso por meio de uma organização confiável e que opera naquela região”, alerta.

golpes de criptomoeda 1
Exemplo de golpe que vem sendo aplicado em conversas nas redes sociais, identificado por especialistas da Avast. Imagem: Reprodução / Avast

Leia mais:

Segurança digital deve ser prioridade

O especialista da Avast diz ainda que as pessoas devem sempre ficar alertas em suas rotinas online, desconfiando de pedidos e também de conversas com desconhecidos.

Como os ataques cibernéticos estão cada vez mais frequentes, a cautela deve sempre acompanhar o dia a dia online, principalmente agora com o conflito em plena continuidade, fazendo estragos diários na Ucrânia.

Golpistas fingem ser refugiados ucranianos para aumentarem o apelo emocional dos pedidos de doações nas redes sociais. Crédito: Janossy Gergely/Shutterstock

“Os usuários devem garantir que o seu computador esteja totalmente atualizado (sistemas e aplicativos), usar um software de segurança de qualidade e ter a máxima atenção com relação a e-mails ou links de bate-papo inesperados. É importante lembrar que agora haverá uma disseminação massiva de informações sobre a crise e os cibercriminosos (com motivação política ou não) se aproveitarão disso”, complementa Salat.

Golpistas agem com apelo emocional

Nas últimas 48 horas, a Avast identificou a ação de vários cibercriminosos que têm agido por meio do apelo emocional, sempre fingindo que estão precisando desesperadamente de dinheiro. Também houve relatos de golpes semelhantes se espalhando no TikTok e em outros sites de redes sociais.

“Em geral, aconselhamos fortemente não enviar dinheiro diretamente para pessoas desconhecidas, especialmente em qualquer forma de criptomoeda, pois é praticamente impossível deduzir se é uma pessoa necessitada ou um golpista”, explica o especialista.

Caso você queira ajudar o povo da Ucrânia, a dica é procurar entidades devidamente cadastradas e oficiais que atuam no auxílio às vítimas de guerras. É importante observar a credibilidade da organização, visitando sempre as páginas e se informando sobre os trabalhos já realizados.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O post Cibercriminosos aplicam golpes fingindo ser vítimas da guerra na Ucrânia apareceu primeiro em Olhar Digital.

Desenvolvido por Direto na Web